Prédio da UFSCar inova com uso de energia solar e ganha autossuficiência

  • -

Prédio da UFSCar inova com uso de energia solar e ganha autossuficiência

Painéis foram instalados em gramado ao redor de prédio do campus (Foto: Carolina Carettin/CCS-UFSCar)

Painéis foram instalados em gramado ao redor de prédio do campus de Araras (Foto: Carolina Carettin/CCS-UFSCar)

Placas foram instaladas em área do campus de Araras e custaram R$ 180 mil.
Pesquisadores querem incentivar a ideia em outras instituições e empresas.

Energia que dá e sobra. É assim no prédio do Programa de Melhoramento Genético de Cana-de-Açúcar do campus de Araras (SP) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Com um parque de energia fotovoltaica próprio, formado por 80 painéis de captação de energia solar, a instituição inovou e quer servir de exemplo para outras entidades de ensino e empresas.

Hermann Hoffmann, diretor do programa, contou que a ideia surgiu com o aumento das tarifas de energia elétrica. Como o prédio é cercado por uma área gramada, foi cogitada a instalação de painéis e teve início o contato com a empresa alemã responsável pelas peças. “Nos tornamos autossuficientes e não pesamos para a universidade”, disse.

O parque é formado por quatro módulos, cada um com 20 painéis de captação de energia solar instalados sobre uma estrutura de fibra de vidro usada pela primeira vez no país na construção de um centro fotovoltaico.

“Não é alumínio, não é ferro, não tem corrosão. É preciso apenas passar um pano com vassoura uma vez por semana”, afirmou. A estrutura pultrudada, constituída de plástico reforçado com fibras de vidro, também é montada sem desperdício de material e protege a área contra raios.

Os equipamentos e a instalação custaram R$ 180 mil e, pelas contas dos pesquisadores, o valor vai ser pago em oito anos ou menos, dependendo dos reajustes das tarifas de energia elétrica.

“O custo da energia nesse período tende a aumentar, então esse intervalo tende a diminuir. Acredito que vai dar retorno antes”, explicou Hoffmann.

“Acreditamos que o parque pode incentivar outros campi, empresas particulares. É o que queremos” – Hermann Hoffmann, pesquisador

Estímulo
Se o retorno financeiro ainda pode demorar um pouco, os resultados ambientais e educativos já começam a ser sentidos. O sistema está gerando mais energia do que o que é consumido no prédio, criando um excedente que é creditado na conta de luz e que diminui a demanda pela energia proveniente de fontes de maior impacto para a natureza.

“Tivemos de nos adequar com a concessionária e instalar um equipamento que mede a geração e o consumo. Há momentos de consumo e momentos de devolução da energia para a rede, em que a gente injeta na universidade”.

Hoffmann contou que o parque se tornou ponto de visitação para estudantes, permitindo discussões sobre energia e meio ambiente, e que espera a proliferação de iniciativas de uso de energia limpa, o que no médio prazo pode contribuir para a queda nos preços dos equipamentos necessários. “A energia moderna é eólica e solar, essa é a tendência. Acreditamos que o parque pode incentivar outros campi, empresas particulares. É o que queremos”.


Inscreva-se no Blog

Digite seu endereço de email para assinar este blog e receber notificações de novas publicações por email.

Junte-se a 10 outros assinantes